Às Vezes Eles Voltam (2017)

by Lobos de Calla

/
  • Includes high-quality download in MP3, FLAC and more. Paying supporters also get unlimited streaming via the free Bandcamp app.

     name your price

     

1.
2.
02:46
3.
4.
5.
6.
03:47
7.
03:51
8.
9.
04:54
10.

about

“Às Vezes Eles Voltam” é um disco bem eclético, que viaja fundo nas raízes da banda e as influências musicais de seus integrantes. A cada faixa se pode ouvir referências a estilos e movimentos musicais diversos, como o rock nacional dos anos 90, a explosão do rock britânico dos anos 60, o punk rock dos anos 80, elementos de rock progressivo, MPB, e até mesmo heavy metal. Toda essa mistura é colocada no disco de forma que os integrantes formam os elos que darão unidade a esse trabalho que busca romper qualquer tipo de barreira imposta a um direcionamento de disco com um som predeterminado.

O título do disco, assim como o nome da banda, é referência a uma obra do autor norte-americano Stephen King, e brinca com o fato de que a banda está de volta à ativa após um hiato de três anos.

credits

released February 3, 2017

tags

license

feeds

feeds for this album, this artist

about

Lobos de Calla Belo Horizonte, Brazil

Rock band from Belo Horizonte / Brazil, composed by Diego Mancini (bateria), Bernardo Silvino (baixo) e Eduardo Ladeira (vocal e guitarra), with three albums on the records.

contact / help

Contact Lobos de Calla

Streaming and
Download help

Track Name: Conversas de Canto
Se eu soubesse ser
Metade da metade de um pedaço bem melhor de ti
Poderia saber que os sonhos são tão grandes quanto permitimos ser
Talvez eu seja um pouco assim, fechado dentro de mim
Obrigado por me resgatar
Obrigado por ser doce até o fim

Acredita que eu também quero mais?
Isso é pra você acreditar

Cerveja no chão e passado no som
E conversas de canto pra distrair
Cerveja no chão e passado bom
E conversas de canto pra dividir
Track Name: Luz
Desde o primeiro dia foi assim
Eu olhei pra você, você olhou pra mim
E nunca mais, nada foi igual
O amor rompeu a represa
Desaguou, inundou cada pequeno riacho
Navegou em cada ramificação no meu corpo
Preencheu cada poro
Gerou uma sobrecarga elétrica
Dendrito – axônio
ferormônio
Taquicardia
E no mais improvável dia
Fez-se luz

A luz veio assim de graça
Soco no peito, pombo sem asa
Cegou a visão
Abriu o coração
Encheu o pulmão
Uniu instinto e razão
E nessa alegoria eu saí da caverna
Nasci de verdade
Fugi pra Terra
Comecei a viver
E sei que a vida é bela
Você apontou pra mim e logo
Fez-se luz

Eu vou lhe dar em cada dia tudo que eu tiver
Saiba que estamos juntos para tudo que vier
E cada pedra no caminho eu chuto pra você
Eu lhe confio a minha alma, vida, e o que quiser mais ter
Track Name: Verdade Absoluta
Meus esforços em vão
Minhas perdidas palavras
Meus remorsos de outrora
Minha fé renegada
Que deixei na estrada

Quando chega o verão
Desejo o frio do inverno
E quando chegam os tempos cinzentos
Desejo enxergar o azul do céu

Mesmo imerso em confusão
Sem saber pra onde ir
Estou certo de que é você
Que estará ao lado

Quando os ombros sentem o fardo
E tudo escorre pelas mãos
E quando as nuvens escurecem o dia
Em meio à escuridão
Sua voz me acalma

Mesmo imerso em confusão
Sem saber pra onde ir
Estou certo de que é você
Que estará ao lado
Track Name: Palavra Não Volta
Sempre me encontro remoendo alguma história
Palavras que trazem um gosto amargo à memória
Essa minha mania de falar tudo o que eu penso
Essa minha mania de ser verdade e menos senso

É capaz de machucar
É capaz de transformar
Palavra não volta
Palavra não volta

Sei que minha voz não foi música no ouvido
Mas é que você precisava de um amigo
Sei que também já falei pelos cotovelos
Machuquei você, sofri, me culpei, chorei

Uma mentira bem contada
Uma desculpa esfarrapada
Palavra não volta
Palavra não volta
Como cada segundo perdido
Como cada saudoso amigo
Palavra não volta
Palavra não volta

Pode trazer emoção, alegria
Ou pode ser mal colocada na elegia
Palavra não volta
Palavra não volta

Pode ser confissão arriscada
Pode ser revelação mal revelada
Palavra não volta
Palavra não volta

Com seu peso, deixa até a boca torta
Um idílio para a natureza morta
Palavra não volta
Palavra não volta

Palavra não é boomerang
Palavra não é mulher de malandro
Palavra não volta
Palavra não volta

Palavra não é cachorro abandonado
Palavra não é disco arranhado
Palavra não volta
Palavra não volta

Palavra é atacante preguiçoso
Palavra é como quem já virou osso
Palavra não volta
Palavra não volta

Palavra é como um ato suicida
Palavra é como um ato homicida
Palavra não volta
Palavra não volta

Não volta, não
Não volta!
Track Name: Quem São Aqueles
Quem são aqueles que lá vêm se explicar?
Falam bonito pra tentar te conquistar
Horário nobre, invadindo o seu jantar
Na sua sala, eles danam a falar
“Que cara massa, que lugar bacana
Quer um lugar quente?
Chora na cama
A grana é limpa, companheiro, pode confiar
Estamos juntos
Mas cada um no seu lugar”

Quem são aqueles que lá vêm justificar
A sacanagem, com a conta pra você pagar
Falar errado de propósito é popular
Ligue a TV agora e deixe o som rolar
“Como diria o poeta, '18 é logo ali
Nunca se esqueça
Tô sempre aqui
Não sei de nada, nunca ouvi falar nem nunca vi
A culpa é deles
Vamos resistir”
Track Name: Quase Nada
Quero ter você na minha vida
Paz, amor, e um pouco de alegria
Quase nada

Quero ter uma vida segura
Uma casa em paz, um pouco de doçura
Quase nada

Quero quase nada
Quase nada que eu não possa merecer
E quanto mais o tempo passa, mais certo estou que eu quero é com você

Quero ter você sempre comigo
Ser pra sempre seu melhor amigo
Quase nada

Quero transformar segunda em sexta
Quero sombra e um pouco de água fresca
Quase nada

Quero quase nada
Quase nada que eu não possa merecer
E quanto mais eu te desejo, mais tenho
Como é bom amar você
Track Name: O Tempo Não
O tempo não se estoca
e é fácil de perder
Você é bem mais do que eu
Será que percebeu que não dá?
Não deu

Vá e encontre quem
Saiba o que dizer
Nas horas erradas

Essa estrada segue até o mar
Os pés sozinhos andam e a vida passa
Vejo o sol em paz a me saudar
Sorrio sem porquê
Feliz por aprender
Aquilo que pedi a Deus

Fico mais um dia
Vai ser melhor
Pra eu ter certeza
Que essa beleza
Vai um dia, enfim
Raiar
Track Name: Projeto Sem Escala
Distante, sem fala
Que faço eu aqui?
Num canto de sala
Que faço eu aqui?
Com tantas amarras?
Com vendas, mordaças?

Que faço eu?
Que faço eu?
Que faço eu?
Que faço eu aqui?

Projeto sem escala
Eu planejei fugir
Piada sem graça
Mesmo assim eu ri
Saudade de casa
Em minha própria sala

Que faço eu?
Que faço eu?
Que faço eu?
Que faço eu aqui?

Desfaço eu
Desfaz-se Deus
No fim

Que faço eu?
Que faço eu?
Que faço eu?
Que faço eu aqui?

Projeto sem escala
Eu desenhei pra mim
Track Name: Nanossegundo
Sei que o presente é o passado de amanhã
Sei que o futuro é só uma esperança vã
Cada minuto que passa, menos tempo me restou
Eu já sinto saudades daquilo que ainda nem chegou

Se eu pudesse congelar o nosso tempo um segundo
Saber que não perderia o que me importa nesse mundo
Os amigos que me cercam, nossa vontade de amar
Viveria nesse instante sem o medo para me abalar

Quero acordar todos os dias
Ver o mesmo brilho no teu olhar
Ter o fogo da paixão
Como se eu acabasse de te encontrar
Se o tempo eu não controlo
Que eu possa ao menos fazer valer o meu
Que eu também possa fazer valer o seu

Quero captar cada nanossegundo
Emoldurar cada partícula desse instante
Mergulhar nessa fração
Emergir num sonho bom
Viveria nesse instante sem o medo para me abalar

Quero acordar todos os dias
Ver o mesmo brilho no teu olhar
Ter o fogo da paixão
Como se eu acabasse de te encontrar
Se o tempo eu não controlo
Que eu possa ao menos fazer valer o meu
Que eu também possa fazer valer o seu
Track Name: Sala de Emergência
As ruas estão cinza no despertar dessa manhã
O tempo está fechado
Como o rosto de quem passa
Procurando um ônibus pra pegar
Sem nem saber aonde ir
O mundo está opaco
E tudo em nossa volta está ruindo devagar

Os sonhos se esfarelam pouco a pouco por aí
E quando é tarde pra mudar, se descobre que no fim
Tudo já estava fadado a acontecer bem diante do nariz
Os abutres estão gordos
Alimentados pela nossa ilusão

Quisera eu andar em uma nova direção
Quisera eu mudar um pouco antes de opinião

E agora que o leite se derramou e só me restou lamber o chão
Eu me arrasto pelo asfalto e lhe exijo, Deus, apenas uma explicação
Por que jogastes tanta praga se pedimos a todo tempo perdão?
Como resposta eu tive silêncio
Culpa
Medo
Frio
Fome
Desilusão